Blog Equipe EAS

Concursos com até 8,3 mil vagas devem ser autorizados

Posted on: 2010/10/07

Seja qual for o resultado nas urnas durante a votação para o segundo turno das eleições presidenciais, uma enxurrada de concursos com pelo menos 8,3 mil vagas em alguns dos órgãos mais disputados deve ser autorizada para aplicação entre 2011 e 2013. Os salários podem passar dos R$ 16 mil. O motivo é que, apesar da necessidade de reposição de pessoal, a postura do Ministério do Planejamento tem sido a de segurar as autorizações durante o segundo semestre deste ano para, conforme avaliações de especialistas , poupar a candidata do governo de eventuais desgastes e ataques quanto ao descontrole nas contas públicas.

Certames como o do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e da Polícia Federal têm tudo para serem autorizados depois dos resultados do segundo turno. A precaução não tem a ver com critérios técnicos, mas sim políticos”, disse. A expectativa é tanta que muita gente já deu a largada aos estudos para concursos como os da Petrobras, do Senado, da Receita Federal e do Banco Central.

A maior parte dos postos está concentrada na Petrobras, onde a expectativa é de 6 mil contratações nos próximos três anos. O primeiro dos processos seletivos a serem implementados pela estatal será lançado até março do ano que vem. No certame deste ano, a estatal ofereceu 502 vagas e cadastro reserva em todo o Brasil para cargos de níveis médio e superior. Na seleção de 2009, foram 819 vagas efetivas de níveis médio e superior e cadastro reserva. Os salários iniciais variaram de R$ 1,1 mil a R$ 3,9 mil.

Já para o Senado, um novo processo seletivo com 250 vagas mais cadastro reserva deve ser lançado no próximo ano e se encontra, atualmente, em fase de preparação. Os salários podem chegar a, aproximadamente, R$ 16 mil e, somados aos benefícios, ultrapassam R$ 20 mil. A comissão especial que elabora a proposta de concursos calcula que cerca de 1,1 mil servidores se aposentarão nos próximos dois anos. O certame serviria para repor esse pessoal.

Altos salários
Na Receita Federal a expectativa por novos concursos também é grande devido à proximidade para o fim do prazo de validade dos certames mais recentes, prevista para o primeiro semestre de 2011. A instituição lançou, em setembro do ano passado, seleção para preencher 450 vagas de auditor-fiscal tributário. Em outubro do mesmo ano, foi a vez do edital para analista-tributário ser publicado, com mais 700 oportunidades e salários de R$ 13 mil.

Altas remunerações também são esperados no Banco Central, porém, ainda sem definição quanto ao número de vagas. A instituição confirmou que tentará obter autorização do Ministério do Planejamento para fazer um novo concurso público para analista, técnico e procurador, no próximo semestre. Atualmente, o BC está com uma seleção em andamento, organizada pela Fundação Cesgranrio, com validade até 2011, prorrogável por mais um ano, para preencher 500 vagas de técnico e analista. Os salários variam de R$ 4,8 mil a R$ 12,4 mil.

2.752 são expulsos

De janeiro a setembro deste ano, 354 servidores envolvidos em irregularidades foram expulsos do governo federal. O número é recorde quando comparado ao mesmo período de anos anteriores. Os dados, que constam de um levantamento elaborado pela Controladoria-Geral da União (CGU) divulgado ontem, mostram ainda que, de 2003 até setembro de 2010, 2.752 agentes públicos deixaram a administração devido a práticas ilícitas.

O estudo comprova que desvios relacionados a corrupção foram responsáveis por 59,9% dos casos de expulsão desde 2003. No período, o principal motivo de desligamento foi o valimento do cargo para obtenção de vantagens, que respondeu por 1.440 casos — o que representa 34,77% do total. Delitos classificados como improbidade administrativa aparecem a seguir, com 788 casos (19,03%), enquanto que as situações de recebimento de propina somaram 253 (6,11%). O acompanhamento feito pela CGU consolida informações apenas do que acontece no Poder Executivo.

De total de penas expulsivas no período, as demissões somaram 2.358 casos, enquanto que as destituições de cargos em comissão chegaram a 219. Já as cassações de aposentadorias alcançaram 175. Entre os 354 servidores penalizados de janeiro a setembro deste ano por práticas ilícitas no exercício da função, a principal punição foi a demissão, responsável por 289 casos. Foram aplicadas ainda 30 penas de cassação de aposentadoria e 35 de destituição de cargo em comissão.

Em nota, a CGU informou que o Sistema de Correição da Administração Pública Federal conta, hoje, com uma unidade em cada ministério. Essa capilaridade garante maior integração à política de combate a desvios de conduta em órgãos federais

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: